mododequerer
Mas duas pessoas não se equilibram muito tempo lado a lado, cada qual com seu silêncio; um dos silêncios acaba sugando o outro, e foi quando me voltei para ela, que de mim não se apercebia. Segui observando seu silêncio, decerto mais profundo que o meu, e de algum modo mais silencioso. E assim permanecemos outra meia hora, ela dentro de si e eu imerso no silêncio dela, tentando ler seus pensamentos depressa, antes que virassem palavras.
Chico Buarque, Budapeste

Nina diz que tem a pele cor de neve e dois olhos negros como o breu. Nina diz que, embora nova, por amores já chorou que nem viúva, mas acabou, esqueceu.

Nina adora viajar, mas não se atreve num país distante como o meu… Nina diz que fez meu mapa, e no céu o meu destino rapta o seu. Nina diz que se quiser eu posso ver na tela, a cidade, o bairro, a chaminé da casa dela. Posso imaginar por dentro a casa, a roupa que ela usa, as mechas, a tiara… Posso até adivinhar a cara que ela faz quando me escreve.

Nina anseia por me conhecer em breve, me levar para a noite de Moscou. Sempre que esta valsa toca, fecho os olhos, bebo alguma vodca, e vou…